Sugestões de Exposições de Artes Visuais

vídeo recortes_30 anos no olhar de Ruth Slinger

MIS _ museu da imagem e do som

exposição / vídeo

JORGE MACCHI

JORGE MACCHI
10 AGOSTO – 8 SETEMBRO

Jorge Macchi

30.08.2011 | 01.10.2011
Iran do Espírito Santo
Galeria

Globe 6, 2011
Mármore
25,50 x 25,50 x 25,50 cm
Edição de 5 + 2 AP

SAUL STEINBERG – AS AVENTURAS DA LINHA – PINACOTECA 03.OUT – 06.NOV

Untitled. 1948

São Paulo nos pés

Por Cassia Conti – RTV matutino*

Nova na terra da garoa, mas antiga nas minhas manias. Conhecendo um tanto mais de São Paulo me peguei muitas e muitas vezes tentando rearranjar as calçadas, como se com os pés conseguiria hora separar as peças em dois montes por cores ou até fazer um desenho que fosse meu e a partir de então ficaria lá pra fazer parte do cotidiano de novas pessoas.

Essa mania insistente me fez perceber como aquelas formas foram incorporadas ao dia-a-dia de tanta gente que pisa, senta e até dorme sobre elas.

Praça Vilaboim, Higienópolis

O desenho que ilustra muitas calçadas da cidade de São Paulo foi aplicado no final da década de 60. Escolhido em um concurso promovido pela prefeitura, o esquema do estado de São Paulo é da artista plástica, Mirthes Bernardes. O trabalho vai além de uma mera simplificação do traçado do estado, mas a construção engenhosa feita com apenas três peças, criando um padrão de repetição infinito.

Vilaboim, Higienópolis

Até 2004, a autoria desse projeto ainda era pouco conhecida, mesmo considerando que a artista já havia exposto no exterior.

Infelizmente o reconhecimento foi somente autoral. Não que isso seja insignificante, mas o projeto que ocupa muitas calçadas da “Paulicéia desvairada” poderia também render financeiramente a artista.

Praça Vilaboim, Higienópolis

É interessante ver como rabiscos, formas e desenhos invadem nosso espaço sem que nos demos conta. A calçada com certeza não é tão elaborada quanto uma tela, nem tão imponente quanto uma estátua, sequer tão agressiva quanto um graffiti, mas fica então a ressalva de que vale a pena olhar por onde se pisa.

  • Quando: a qualquer momento
  • Onde: em vários lugares (no caso Praça Vilaboim)
  • Até que a prefeitura resolva tirar
  • links relacionados:

http://revistaepocasp.globo.com/Revista/Epoca/SP/0„EMI86830-16296,00-A+ARTISTA+DAS+CALCADAS.html

*Nota do Blog: esse texto foi originalmente publicado no Blog  “Hucha Mama!” (http://huchamama.tumblr.com/search/cal%C3%A7ada) realizado pelos alunos do 3o. semestre de Cinema e Rádio e TV para a disciplina Estética no primeiro semestre de 2011.

Exposições de Arte: Alunos de Estética da FACOM-FAAP visitam, comentam e criticam!

Há duas “avaliações” que gosto especialmente na disciplina Estética, ministrada por mim às turmas do curso de Comunicação da FAAP:

1 – O relato da experiência estética mais significativa que eles vivenciaram e,

2 – As visitas às exposições de Arte – agora também admitindo Arte de e na Rua – publicadas em um blog da sala produzido pelos próprios alunos.

É esse último item que irei comentar. Com atraso. Pois, a cada mês, a cada semestre aparecem novos desafios. O tempo, por seu turno, permanece o mesmo…

Confira neste post os links que, de qualquer maneira, sempre estão disponíveis na barra à direita:

Turma A

Destaque para o post de Maria Fernanda sobre a Bienal. Olha ela aí:

Turma B

Destaco as visitas feitas por Mariana à Exposição da Coleção Pirelli de Fotografia, no MASP, mas que infelizmente já acabou.

Gostei também do post de Paula sobre a Exposição “O Espaço nas Entrelinhas”, de Fred Sandback, no Instituto Moreira Salles. Outros alunos também comentaram essa exposição que ainda dá tempo de ver. Vai até 24 de outubro. Sofia Derani comenta a exposição “Dream Machine”, no atelier de Regina Johas.

Aqui, Fred Sandback:

Fred Sandback

Turma C

Muito rico o blog “Quarto 213”, da turma C. O relato de Caio sobre sua visita ao “Umbraculum – Jan Fabre no Tomie Ohtake” nos faz acompanhá-lo em sua experiência. A visão do fotógrafo Miguel Rio Branco está na impactante “Maldicidade – Marco Zero”, no MuBE, por Gabriela Cruz. Cíntia Esteves traz informações sobre a escultura LOVE, de Robert Indiana. Ótimo também o comentário de Beatriz Gallo para “sobreViver”, exposição de pinturas de José de Quadros no SESC-Pompéia.

Cíntia Esteves em “Love”:

Turma G

É uma coisa um pouco incrível, mas qualquer grupo que convive junto um tempo acaba adquirindo uma espécie de “personalidade em grupo”. Noto bastante essa idiossincrasia em cada sala de aula. E a personalidade da turma G deste semestre é das mais “irônicas” – quando essa palavra indica uma coisa boa. Visite o site. Aqui um post não crítico e não sincero é exceção à regra.

Artur Renzo, na exposição “Vik Muniz – Verso”

Amina vai a Inhotim, mas não deixa barato!

Mayra no Beco do Grafite:

Turma H

Nesta turma, por exemplo, alguns alunos decidiram explorar mais uma possibilidade dada pelo trabalho. Falar sobre arte de rua. E não é que a Rafaela Pastore até entrevistou o grafiteiro Igor Kenzo? Marcela Auder também produziu um post muito bonito com as obras de Zeila e Tikka. E Tayla foi buscar o grafite dentro da Igreja Bola de Neve!

Rafaela diante de Koi-Fish num muro na av. Dr. Arnaldo:

A Marcela Auder em uma travessa da Cerro Corá!

Parabéns aos meus alunos!

Comentários sobre os textos das exposições

Por Guilherme Gil de Oliveira Melo – Monitor da disciplina Estética da FACOM     

 Dissertando acerca da exposição do artista multimídia Gordon Matta-Clark, que ficou em cartaz no MAM-SP até o mês de abril, a aluna Carolina Althaller (da turma H) consegue promover uma reflexão mais profunda a respeito de sua obra e da problemática social na qual está inserido, tudo dentro de uma linguagem breve, concisa e esclarecedora.

Uma das obras presentes na exposição

      A partir de sua análise, temos noção do cerne das questões envolventes do trabalho de Matta-Clark, um dos nomes de proa da arte contemporânea, que giram em torno da discussão sobre o espaço e o próprio processo construtor do trabalho artístico, em um procedimento convidativo da participação/intervenção por parte do público, o agente receptor. 

O link para o texto pode ser encontrado aqui.

Comentários sobre os textos das exposições

         Por Guilherme Gil de Oliveira Melo – Monitor da disciplina Estética da FACOM 

 Dentro da atividade de relatos a visitações artísticas proposta pela disciplina de Estética, trabalhos que fogem a um padrão mais convencional e conseguem, com efeito, um aprofundamento diferenciado que decorre, justamente, dessa busca por outros registros merecem uma menção especial. 

          Isso ocorre no caso da aluna Gisela Barreira Marcondes, da turma B, que, no relato a respeito da exposição Romantismo: A Arte do Entusiasmo, no MASP (que ficou em cartaz até 8 de maio), sai-se muito bem ao usar de maneira adequada o procedimento de enumeração exemplificativa das obras vistas, o que demarca uma espécie de evolução cronológica da Escola Romântica. Ela consegue transmitir com sutileza as impressões e os efeitos propiciados pelos quadro. Além disso, notam-se, em seu processo elaborativo, concisão e poder de síntese. 

Quadro de Degas, Quatro Bailarinas em Cena, presente na exposição visitada

 


 

           O texto completo pode ser encontrado aqui.

Comentários sobre as exposições

Por Guilherme Gil de Oliveira Melo – Monitor da disciplina Estética da FACOM

Alguns exemplares do ciclo dos textos referentes às visitações de museus podem nos revelar dados instigantes, seja pelo diferenciado ângulo demonstrado no relato, seja pela sutileza empregada dentro da análise proposta, o que acaba enriquecendo, pois, os parâmetros da reflexão estética presente no curso.

Nisso, saliento, por hora, duas das atividades que se destacaram, curiosamente realizadas em viagens de turismo (portanto exposições não encontradas atualmente na cidade de São Paulo): a de Wilson Dias, pela Turma D, que descreve uma exposição de René Magritte em Montevidéu, Uruguai, dentro do Museu Ralli, consegue lançar, de maneira profunda e mesmo razoavelmente complexa, seu olhar sobre as próprias condições geográficas que animam um contexto cultural (no caso, o de uma cidade da América Latina) ao mesmo tempo em que igualmente elenca e desenvolve as condições históricas e estéticas presentes no modo de elaboração formal de um artista. O texto está presente aqui.

Obra de Mario Rivera presente no Museu Ralli

Já pela Turma C, o aluno Rafael Farina, ao descrever a exposição do fotógrafo Claudio Carpi no MAM-RIO (denominada Almas Cinematográficas), demonstrou um pensamento norteador bastante interessante ao refletir acerca da própria questão fotográfico-imagética a partir da obra do autor. São combinadas, no raciocínio, afirmações mais profundas sobre a arte com informações pontuais e exemplos de trabalhos verificados, levando a observação para um terreno até mesmo semiótico. O texto integral pode ser encontrado aqui.

Registro de Burle Marx (1994), presente na exposição

Outros relatos de destaque serão comentados nos próximos posts.

Exposições da Semana – Blogs das Turmas de Estética

Alunos da Turma C em visita à "Latitudes: Mestres Latino-Americanos na Coleção FEMSA" - Instituo Tomie Ohtake.

Alunos da Turma C em visita à "Latitudes: Mestres Latino-Americanos na Coleção FEMSA" - Instituto Tomie Ohtake.

Inaugurando a categoria “fotografias criativas e interessantes”, Belisa Proença, Catharina Strobel, Cintia Clarissa e Pedro Américo, da turma C (Cinema e Rádio e TV), visitaram a exposição “Latitudes: Mestres Latino-Americanos na Coleção FEMSA”, no instituto Tomie Ohtake.

Achei o comentário da visita excelente! O grupo fez uma análise sensível e profunda de algumas obras expostas. Vale a pena conferir o comentário e a exposição. Um único senão para o post: as obras mostradas no blog não trazem o suporte (parece ser tudo óleo sobre tela) e as dimensões dos quadros. Informação importante para que possamos concebê-la na imaginação.

***

“Intempéries: O Fim do Tempo” foi a exposição escolhida por Patrizia Bandini, Renata Rezende, Natália Loureiro e Taynara Marques (Turma D) e também por Natália Vieira, Mariana Thomaz e Adriana Fernandes (Turma H). A exposição, segundo os grupos, reúne artistas que tratam das mudanças climáticas e, parece, da responsabilidade do ser humano e das consequências trágicas que, no caso, a irresponsabilidade pode provocar. Pelo que eu li nos blogs, a exposição tem aquela característica que agrada o público contemporâneo: multiplicidade de suportes com obras multi-mídia e interatividade. A exposição só vai até dia 12 de abril na Oca – Parque Ibirapuera.

Eugenio Ampudia (Espanha) "Fogo Frio", videoinstalação, 2006

Eugenio Ampudia (Espanha) "Fogo Frio", videoinstalação, 2006

***

Ainda da turma D, Lauri, Pedro, Tuany e Yannis que haviam visitado o Museu de Futebol, foram à Pinacoteca do Estado. Lá, visitaram a exposição “100 anos de vida e obra de Margaret Mee”. Eu não a conhecia. Ela foi uma artista  ilustradora botânica do século XX, segundo eles relatam. Seus desenhos de planta parecem ser de um perfeccionismo incrível. Essa excelência das mãos ainda provoca fascínio, mesmo considerando toda a tecnologia disponível hoje para fazermos “igual”.

***

"Pantalones", fotografia de Leonardo Kossoy em exposição na Caixa Cultural - Sé

"Pantalones", fotografia de Leonardo Kossoy em exposição na Caixa Cultural - Sé

“Espanhas”, exposição que reúne 100 fotografia de Leonardo Kossoy foi visitada por Fábio Costa, Felipe Costa, Demontiei Luna e Rafael Franco. Fiquei bastante curiosa a respeito do fotógrafo. Gostaria de saber mais informações a seu respeito. Procurei no site indicado no blog – que não abriu – é necessário digitar o www. Na fotografia acima, do autor, está linkado o site. As imagens mostradas no blog são muito curiosas, mas vêm sem o título. Para ver as fotografias ao vivo, pelo jeito, vou precisar correr, pois visitando o site da exposição descobri que ela fica em cartaz apenas até o próximo dia 22.

***

A exposição “Recentes da Coleção”, do MAB-FAAP recebeu novamente duas visitas. Das turmas A (Alexandre Garcia, Caio Santos e Caroline Richa) e B (Mariana Manso e Mariana Cury) – ambas de Publicidade. Os alunos comentam em geral o processo de aquisição das obras e aquelas preferidas.