Primavera Mágica

Você falou em feitiço,
encantamento,
e eu fiquei aqui
a fantasiar-
-me
como se fosse
fada ou bruxa
capaz
de recitar
palavras mágicas,
um abracadabra qualquer
que reflorestasse
florestas devastadas,
como essa estação
que vem agora,
depois do inverno.

Anúncios

Amazônia

Não queira, Silviano, que eu cante a selva

amazônica ou mesmo o rio Amazonas,

cujo silêncio a fluir às minhas costas

no entanto escuto às vezes, imerso em trevas.

Em minhas veias, é certo, corre o sangue

selvagem das amazonas e os meus traços

caboclos traem os maranhões; mas trago,

como herança dos ancestrais, não saudade

da floresta, mas da cidade almejada.

A Amazônia quer versos heróicos e épicos,

não os meus líricos, eróticos, céticos

e tão frívolos que nem sequer reparam

se pararam nas palavras ou nas coisas

e não raro toma aquelas por estas

e a árvore pelas florestas e aquela

pela palavra e por fim ficam nas moitas.

É verdade que me fascinam os rios

paradoxais e a figura de Orellana,

expulso por amazonas, que emboscadas

desde esse tempo entre as florestas e os signos,

reverenciam Ares, temível deus

da guerra: temível sim, porém não tanto

quanto Afrodite, que uma vez quis prová-lo

no leito e o domou e o dobrou e o comeu;

nem tão temível quanto Hefesto, o marido

da deusa, deus das técnicas e do fogo,

que, nem belo nem rápido, sendo coxo,

agarrou o adúltero Ares, o arisco,

e a dourada Afrodite na própria cama,

sobre a qual trançara inquebrantáveis fios

aracnídeos, deixando os amantes fixos

nessa fração de segundo que sonhavam

perpetuar; e, que ao ser perpetuada,

virou o oposto: pois como ser repouso

o gozo, movimento vertiginoso,

pleno de suor e graça, rumo ao nada?

Convidado por Hefesto, todo o Olimpo

assistiu ao espetáculo do enlace

de Ares e Afrodite e ecoou toda a tarde

a gargalhada dos deuses. A pedido

do deus do mar, porém, Hefesto os soltou.

Ares, humilhado, fugiu para a frígida

Trácia, e ela, com um sorriso, para a ilha

de Pafos, cercada de um mar furta-cor,

onde as graças lhe prepararam um banho

perfumado e esfregaram à sua pele

o óleo ambrosíaco com que a tez dos deuses

esplende e vestiram-lhe um robe… e eu divago

e não me lembro onde me perdi na floresta

dos meus ancestrais. Que não me guardem mágoa

nossas amazonas. Filho da diáspora

e dos encontros fortuitos, o poema

me esclarece: toda origem é forjada

no caminho cujo destino é o meio.

Feito o Amazonas, surjo do deserto,

mas dos afluentes eu escolho as águas.

 

(do poeta Antonio Cícero)

 

 

 

Sem Você

nenhuma………metáfora

…..traduz………a falta

nenhuma……….imagem

……exata

.

……..faca………encravada

……nesse……..silêncio

………..dia……..sem dia

…….piada……..sem graça

….acordar………sem você

………..me……….mata

 

    (Veja outros poemas de Frederido Barbosa no link “Pesquisa-Poesia”)

Fragmentos de Galáxias

” e se você quer o fácil eu requeiro o difícil e se o fácil te é grácil o difícil é arisco e se você quer o visto eu prefiro o imprevisto e onde o fácil é teu álibi o difícil é meu risco pensar o silêncio que trava por detrás das palavras pensar este silêncio que cobre os poros das coisas como um ouro e nos mostras o oco das coisas que sufoca”

Só consigo ler as Galáxias, de Haroldo de Campos, assim: aos pedaços.

Leminski apud Cláudio Daniel

“En la lucha de clases

Todas las armas son buenas:

Piedras

Noches

Poemas”.

O poema é de Leminski. Quem mo enviou foi o poeta Cláudio Daniel. Pedia a ele as informações sobre o SIMPOESIA, que reúne poetas brasileiros num encontro de leitura de poemas e discussão sobre eles. Começa amanhã e é organizado pela Casa das Rosas e USP. De modo um pouco surpreendente para mim, estarei lá entre poetas que trilham e publicam suas palavras. Lerei meus poemas ao lado de Cláudio Daniel, Frederico Barbosa, Mônica Costa e outros.

Confira no link a programação. Minha participação ocorrerá no sábado, dia 18, no Museu da Língua Portuguesa.

P.S.: Quanto ao Leminski, fico com as noches e os poemas. E as pedras, se forem as de João Cabral.